Esse texto nasceu ao contar essa história para uma amiga e ela me pediu para escrevê-la para vocês. Obrigado Carol Zoccoli. 

Como eu já disse em outros textos do blog, eu mudo minha mente e tudo à minha volta muda junto comigo, literalmente. Ultimamente eu venho passando por um processo de mudanças de pensamentos e ideias que um dia eu acreditei sobre mim e hoje já consigo ver que me iludi. Era uma terça-feira à noite e eu me deitei mais cedo, programei o alarme do celular para me acordar, tinha decidido levantar cedo no outro dia e começar uma faxina nas minhas coisas antigas que estavam guardadas.

Tanto pela mudança interna quanto pelo fato de que eu vou me mudar de casa em algumas semanas. Eu não moro com a família como a maioria das pessoas no mundo, eu vivo de uma forma diferente que um dia já não será diferente e sim normal para as pessoas. É um pouco novo e talvez difícil de entender, mas se vocês quiserem posso falar disso aqui ou num canal mais pra frente.

Eu acordei e comecei uma faxina no meu guarda-roupa, na sala da casa (que está cheia de presentes e coisas que eu ganho hehe) e fui desapegando e me reorganizando durante a manhã e a tarde. Sai para almoçar, geralmente não almoçamos em casa. Voltei e continuei minha interminável faxina e organização de acordo com um novo Erick. Perto de terminar a faxina, com o nariz bem irritado do pó, já cansado de ver tantas coisas que eu parecia conhecer… Uma sensação brotou e eu senti que seria legal dar uma volta no parque.

Peguei meu celular e meu fone de ouvido e fui. O parque fica a 2 minutos a pé de casa, o dia estava quente e seria legal caminhar entre as árvores do parque vizinho. Conforme eu andava pelo parque, eu observava tudo ao meu redor e tinha certeza que sabia o que estava vendo. Uma árvore, um laguinho, mais árvores, um chão cheio de pedrinhas que refletem a luz do sol, um guarda do parque, flores rosas e árvores. Após começar uma volta, parei pra tomar uma água de coco. Estava nesses dias bem quentes de janeiro.

Após terminar minha segunda volta por um parque que eu tinha certeza conhecer tudo e já saber o que tudo era, resolvi voltar para casa… Ao sair outra sensação brotou e senti que seria legal voltar por dentro do bairro que levaria talvez uns cinco minutos a mais. Mas as ruas são tão gostosas onde moro que valeria a pena nesse fim de tarde. Fui sendo guiado. Ao caminhar pelo calçada, havia uma árvore próxima ao muro de uma casa, onde fui surpreendido por uma borboleta que voava entre meu rosto e cabelos sem medo.

Me apaixonei por ela e me permiti observá-la e conhecê-la. Continuei minha caminhada e me deparei com o sol a se por. As árvores refletiam entre os galhos uma luz aconchegante. Logo comecei a caminhar entre as belas ruas de meu bairro e essa doce luz tocava tudo com pequenos raios que restavam pelas frestas das árvores. Comecei a olhar de novo e em vez de achar que sabia o que estava ao meu redor, me permiti conhecer.

Nenhuma árvore era a mesma que eu já tinha visto antes, nem o asfalto eu já conhecia, os raios de sol não eram os mesmos que tocavam minha pele todos os dias. Era tudo novo, pois me permiti conhecer novamente. Me vi em uma prisão derrepente. Antes eu achava conhecer tudo que me cercava, mas isso me privava de conhecer. Um filme passava em minha cabeça enquanto voltava para casa… O sol deitava-se no horizonte quando virei as costas para seus raios. E ao me virar de costas para o sol senti um calor em meu pescoço.

Esse calor me fez um carinho. Comecei a sorrir feito um bobo e me arrepiei da cintura até a nuca com aquela carícia quente que vinha do sol. Quando me virei e para ele olhei, vi que o carinho não vinha do mesmo. Aquele carinho vinha da Vida. A Vida que está por trás de todas as coisas que podemos ver. A Vida que está em tudo. Me lembrei da Vida, pois o carinho e o amor não vem das coisas, mas sim da Vida por trás delas. Comecei a olhar a minha volta.

Não mais com os olhos e sim com o coração. Pois só o coração pode ver o que é invisível. Comecei a sentir a Vida que brotava abundante por trás de todas as coisas e vi o quanto eu poderia usufruir e compartilhar daquela Vida que não tem fim. Me peguei pensando: Quando não vejo com meu coração, o que vejo eu? Vejo imaginações de pessoas e coisas que já acho conhecer do passado e não permito conhecer novamente no presente. Acredite. Há um jeito de ver que foi esquecido mas apenas está adormecido.

Mas eu vim para lembrar que há em você um lugar que sente saudade de Amar, pois você foi feito para compartilhar essa Vida que em você e por trás de tudo há. É o fim da cegueira e do medo, pois agora na terra nasce a Nova Cultura que veio do céu para ficar.

A Cultura daqueles que escolheram Amar.

Erick Mafra, Janeiro, 2016.

9 respostas
  1. Pedro Henrique Assher
    Pedro Henrique Assher says:

    Terminei de ler esse texto lindo e acabei de me sentir horrível. Eu percebei o quão superficialmente eu te via até agora e te peço desculpas por isso. Sempre fui encantado pela sua fofura, pela sua beleza exterior e me perguntava: por que as pessoas, quando o vêem na rua choram e dizem que ele transmite paz? Acabo de ter essa resposta. Você é uma pessoa incrível, com pensamentos incríveis, encantador por dentro e por fora.

    Responder
  2. Sam Louren
    Sam Louren says:

    Uau! Realmente! Devemos nos deixar levar pela vida, pois ela é boa. Devemos dar novas chances de conhecer à coisas já conhecidas, pois há sempre mais no escondido. Devemos amar a vida!

    Responder
  3. Lara
    Lara says:

    Não sou muito de ler, não me interesso muito por textos ou livros, mas esse texto prendeu minha atenção de modo que, mesmo sendo o primeiro contato que tenho com você, quero ler mais de seus textos, saber mais das suas histórias, já te admiro. Com apenas um texto você me cativou, mudou completamente meu modo de pensar, de viver, despertou em mim essa nova cultura. Você tem talento, gosta do que faz, e consegue demonstrar isso na maneira como escreve. Obrigada por abrir minha mente, espero um dia poder te conhecer.

    Responder
  4. Wallace Pacheco
    Wallace Pacheco says:

    nossa erick sempre te acompanhei pelo insta, mas nao fazia ideia desse teu "outro lado". Cara serio muito lindo toda esta sua energia, todo esse amor, quero muito um dia conseguir transmitir tanta positividade quanto tu. So aumentou a admiraçao que ja tinha por voce

    Responder
  5. Bela
    Bela says:

    Você é tão encantador, Erick! A forma como vê o amor, a beleza que vê na vida… Deve ser por isso que a borboleta quis te conhecer <3, por isso o sol quis te acariciar, por isso a vida sorriu para ti, <3 <3 <3. Seu lindo!

    Responder
  6. Leticia
    Leticia says:

    Texto maravilhoso *-* Erick consegue transmitir uma sensação que mesmo online eu nunca vi ninguém antes conseguir. PARABÉNS SEU LINDO. Amo vc

    Responder
  7. Annie Jansen
    Annie Jansen says:

    Acho que a maioria das pessoas passa a vida inteira sem reparar na vida que existe ao redor. Eu nunca tinha parado pra pensar nisso até ler esse texto. Eu nunca parei pra reparar nas vidas que existem alem da minha. Mas como diz no Pequeno Príncipe: “Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.”

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *